SLIDE

25 fevereiro 2015

O suor que pode nos levar à depressão

Olá pessoal, tudo lindo com vocês? Desejo que sim!

Bem, hoje eu vou tocar num tema tão delicado para mim. E deve ser para vocês que também sofrem com a hiperidrose!

Como já falei em um post passado, a minha hiperidrose surgiu aos 16 anos, uma época que era 8 ou 80 para mim. Parecia que tudo estava dando certo na minha vida, eu havia passado na seleção de menor aprendiz, que era uma união de trabalho e aprendizado oferecido pelo SENAC. Eu acabei passando numa seleção gigante de meninas da mesma idade que eu e talvez muito mais capacitadas.

Foi aí então que comecei a trabalhar e perceber como as pessoas podem ser ruins com seus comentários, quando reparam na aparência ou doença do próximo. E por conta disso, também comecei a estudar no colégio particular da cidade (um dos melhores na época). E quando parecia que estava indo tudo lindo na minha vida de 16 anos, comecei a perceber que eu transpirava muito, mas muito mesmo. Nas aulas do SENAC e do colégio, às vezes eu esperava todos saírem da sala, para eu sair por último, porque nos dias muito quentes, não só a minha axila transpirava demais, como também, aonde eu me sentava, ficava marcado com sinais de molhado. E no trabalho, como já contei também no último post, eu usava um uniforme preto de início que me fazia cheirar mal no final do dia, pois o tecido era de poliéster. E por conta disso, e da falta de maturidade, insegurança e informação na época, há uns 11 anos atrás, eu comecei a ter crise de choro para ir trabalhar e para me sentir melhor, eu comprava roupas e produtos caros, para que as pessoas notassem as minhas coisas e não o quanto o meu corpo jorrava suor. Acabei por faltar várias vezes do trabalho e do SENAC em dias muito quentes, porque a minha calça jeans estava suada antes mesmo que eu colocasse os pés na rua para ir trabalhar.

Eu achava tão estranho aquilo, porque eu transpirava tanto? Qual era o sentido de tanto líquido saindo de mim? Já troquei de escola, por vergonha das outras pessoas e mesmo gostando de conhecer novas pessoas, acabei por parar de fazer novas amizades por pura vergonha. Foi então, que tive a brilhante ideia de escolher uma faculdade num lugar frio (que eu achava que era frio, mas não era) e convenci meu irmão também a prestar vestibular na tal cidade. E por fim, ele acabou passando no curso de economia e eu não passei, pois não tinha estudado o suficiente, pois meu curso era de moda e um dos únicos que tinham em faculdade pública na época. Mas antes disso, resolvi pesquisar qual era o médico que eu tinha que ir, para ver se melhorava algo na minha vida, que estava se tornando um inferno. Eu não tinha vontade de fazer nada e andava só de preto para cima e para baixo. Meu sonho era usar outras cores, sem que ficassem escorrendo pelos braços. 

Acabei por ir no médico dermatologista na época, e ele me deu a receita do driclor manipulado. Mas não tinha instruções de uso nenhum, vindo da farmácia de manipulação. Só sei que usei do meu jeito e não adiantou absolutamente nada. Então pesquisei de novo e achei a tal cirurgia para quem transpirava demais, a Simpatectomia. 

E fui até um cirurgião torácico da cidade vizinha, e ele me disse na época, que estava na moda ter "hiperidrose", fiquei bem chateada. Mas ele me mostrou o vídeo de como era a cirurgia e me disse que talvez eu tivesse uma compensatória e que o valor cobrado na época, girava em torno dos 10.000 reais. Bem, eu não tinha esse dinheiro e nem meus e por conta disso, eu queria mudar a todo tempo de cidade, de faculdade e de colegas. Pois não suportava viver daquele jeito, não tinha gosto algum por comprar roupas, porque eu odiava pensar que tudo tinha que ser preto. Mas como tudo nessa vida passa e que bom que passa, eu comecei a ler cada dia mais sobre hiperidrose, tentava todos os desodorantes novos do mercado, comecei a ficar perto só de quem realmente gostava de mim. E parei de ser infeliz e deixar essa doença me dominar, nós temos que dominar ela, porque caso contrário, a sua vida pessoal vai se tornar um mar de lágrimas. Por conta do quê? Do que as pessoas dizem, vão dizer mesmo que você seja perfeito e não solte uma gotinha de suor. E se você se dar bem na vida então! Se prepara, porque irá chover de comentários sobre sua aparência.


Eu consegui, e não vou parar por aqui, eu sou formada em moda e pretendo estudar muito, mas muito mais. E há pouco tempo procurei um profissional da área da psiquiatria e conversei com ele sobre tudo. E as palavras dele se repetem na minha mente...

Não carregue o mundo nas suas costas, se nascemos com esta doença, é porque ela tem algo a nos ensinar! As pessoas nos perseguem sim, nós nos sentimos humilhados sim, mas quem decide ter uma vida cheia de tristeza, somos nós! 

E num próximo post, vou falar o porquê eu não fiz a Simpatectomia (que hoje é oferecida pelo SUS), e sou muito feliz por não ter feito. (Essa é uma opinião minha, quero deixar bem claro)!

Beijãooo enorme para todos que visitam o blog e se gostarem, podem comentar, como eu disse e repito! A casa é de vocês! Ops, o blog..kkkkk!

FUI!

Não deseja ser nada além daquilo que você é, e seja o que você é perfeitamente. (St. Francis De Sales)



19 fevereiro 2015

Uniforme + Trabalho = SUFOCO



Olá pessoal, tudo bem?

Hoje eu vou falar de um assunto que já me deu muita dor de cabeça: UNIFORMES no ambiente de trabalho!

Isso mesmo, eu comecei a trabalhar bem cedo, quando tinha 16 anos (no auge da minha hiperidrose) e tive grandes constrangimentos com esse tal de "uniforme" para trabalhar. Daí eu ouvia muita gente dizendo:

"Ah mais é ótimo ter uniforme, porque assim eu economizo as minhas roupas e tal", concordo plenamente, mas para a nossa realidade não é tão simples assim. 

O meu primeiro emprego oficial foi numa grande loja de roupas da minha cidade natal. E o meu primeiro uniforme era preto (UFA...!!!), mas de tecido poliéster, ou seja, mesmo eu que não tenho bromidose, acabava com mal cheiro no final do dia e por conta disso, tentava manter distância dos outros funcionários. 

Posteriormente, na mesma empresa, acabaram por trocar o uniforme e daí sim, começou o meu sufoco, porque o novo era uma camiseta de algodão laranja, bem justa ao corpo, aquele que causa as indesejáveis pizzas. 

Usei um dia apenas o novo uniforme, cheguei ao final do dia com dor nos braços, pois fazia de tudo para não abaixar, para não concentrar o suor nas mangas, mas mesmo assim, não teve muito jeito e fui embora no final do expediente quase chorando de vergonha. Foi assim que tomei uma decisão, não vou aceitar isso e vou exigir que eu tenha ACESSIBILIDADE no meu trabalho, pois a hiperidrose é sim uma doença. 

E ninguém tem que se sentir humilhado em seu ambiente de trabalho. Pois cheguei na minha gerente e falei, que ou ela me autorizava a fazer as minhas blusinhas sem mangas na cor do uniforme ou eu estava fora da empresa, isso mesmo, fui radical, porque não queria ter que passar por aquele constrangimento de novo e de novo.

E para minha alegria, ela aceitou!!!! E eu fiz uns três modelos de blusinhas no tecido bem fresquinho e a minha rotina no trabalho continuou sem maiores problemas. Mas é claro, que eu tinha que explicar para as novas funcionárias, o motivo pelo qual meu uniforme era diferente (Porque todas queriam poder ousar e ter uniformes mais frescos também..kkkkk).

Passando um tempo eu fiz 18 anos e fui estudar e trabalhar em outra cidade e novamente me vi com o mesmo problema, quando eu avistei o uniforme das funcionárias e vi que era uma camiseta mais colada no corpo, da cor azul desbotado e meio misturado com cinza na lavagem, pensei, lá vai eu novamente explicar que eu não posso usar esse tipo de uniforme, ah não ser que o gestor me autorize a cortar as mangas. E para minha sorte tinha uma funcionária na empresa que tinha hiper também, mas não nas axilas e sim nas mãos, então ele entendeu o meu problema e lá fui eu cortar as mangas do uniforme, que acabou virando uma regata fresquinha e mais cavada. Mas ele me orientou, que quando o gestor geral viesse, eu tinha que colocar uma camiseta fechada, porque é ordem da empresa não modificar o uniforme, eu acabei concordando, mas este gestor geral nunca apareceu e eu continuei por trabalhar fresquinha!

Agora pessoal, eu contei um pouquinho da minha história em relação aos uniformes, porque no que depender de mim, irei lutar por mais ACESSIBILIDADE no ambiente de trabalho. 
Pois não somos obrigados a trabalhar com roupas que mancham e nos trazem vergonha por estarmos molhados.

A dica que dou para quem já está trabalhando ou está à procura de um emprego, é vá ao seu futuro emprego ou atual (caso você já esteja passando por isso!) e converse sobre a sua real situação, para solucionar este problema do uniforme. E você que está passando por entrevistas, é muito importante perguntar se é obrigatório o uso de uniformes e como eles são!

E não tenham vergonha de expor que você tem hiperidrose e que isso sim, é uma doença, capaz de nos tirar do convívio social e até sair de um trabalho por vergonha, porque existem pessoas maldosas sim, que irão rir ou comentar que estamos sujos, por nos ver molhados na empresa. 

E homens que tenham que trabalhar de social, falem também com os seus gestores, caso o tipo do tecido ou o modelo do uniforme, esteja te causando algum constrangimento. 
Eu tenho certeza, que se nós lutarmos por isso, conseguiremos nossos direitos de nos sentirmos bem no nosso trabalho.

OBS: E para quem não usa uniformes....VIVAAA!!! (só não vale ser escandaloso viu? kkk)




 Bye Bye pessoal e fiquem com Deus!    

09 fevereiro 2015

Os meus produtos FAVORITOS para a Hiperidrose

Olá pessoal, tudo bem?

Estou aqui de novo para mostrar para vocês, quais são os meus produtos FAVORITOS para o tratamento da hiperidrose axilar!

Obs: Vesti até cinza para ilustrar melhor o post, já que esta é a "melhor" cor para nós! SQN.

Segue a lista:

1-Perspirex

Este é bem parecido com o Odaban, mas não é tão potente quanto o driclor, mas como depois que passei a utilizar o driclor, tive uma leve compensatória nos pés, eu passo ele nos pés e deixo bem pouco, em torno de uma hora, já retiro e passo o desodorante da Natura, que vou falar mais sobre ele abaixo. Eu não achava ele muito fácil para comprar pela internet, mas agora já vi em vários lugares, inclusive pelo mercado livre (que considero um ótimo lugar de compras para nossos antiperspirantes importados). E como não encontrava e queria muito testá-lo, aproveitei que uma amiga foi viajar para Londres, e corri pedir para ela me trazer, como ele é fabricado por lá, paguei em torno de 20,00 reais, mas é porque foi comprado lá pessoal, não adianta, que no Brasil, iremos pagar bem mais caro. Mas ele dura bastante, tenho ele desde agosto do ano passado e ainda está na metade, porque é para passar bem pouco mesmo.




2-Natura da linha-Todo dia
Este é o meu segundo amor também, faço uso deste desodorante há anos e acabei descobrindo por acaso que ele também dá uma aliviada no suor, além de ter uma fragrância muito suave e não contém álcool, por isso, ele acaba formando a dupla perfeita para ser utilizado após a retirada do perspirex nas axilas ou nos pés, como também pode ser utilizado nos dias em que você não usa o driclor. Já testei vários desodorantes, para usar junto com o driclor e perspirex, mas nenhum chegou aos pés deste da natura. Dura o dia todo e ainda não briga com o seu perfume como o Rexona Clinical faz (falo isso, porque já usei ele e este acabou por manchar as minhas roupas, fora o perfume forte). Enfim, eu gosto tanto deste desodorante, que tenho um no banheiro, outro na bolsa e ainda uma caixinha guardada no armário. 
Podem usá-lo sem medo, nos pés também, antes de colocar as meias. É mega válido!

Lembrando que ele dura bastante também, pago em torno de 12,00 pelas revistas da Natura ou em alguma loja que venda à pronta entrega, mas passo uma vez só e espalho com a mão, sinto até que deixa minhas axilas mais claras e suaves. Invistam sem medo!



 3-Driclor

Obs: Este é o melhor dos melhores antiperspirantes que já fiz uso na vidaaa!

Vou explicar a minha história de amor e ódio por este produto. A primeira vez que resolvi comprar um frasco do driclor, eu morava em Londres e resolvi experimentá-lo, já que o preço era bem acessível nas farmácias de toda a Inglaterra. Enfim, paguei em torno de 20 reais (já convertidos), e fui feliz para a casa para usá-lo. Mas usei da maneira mais errada possível, pois acabei passando muito produto e durante o dia ainda, o que é pior, porque a recomendação é que ele seja usado durante à noite, enquanto a pessoa dorme. Mas o fim disso não podia ser pior, pois em dois dias, eu já estava cheia de bolhas nas axilas e mal conseguia tomar banho e o pior de tudo, o suor não reduziu. Fiquei furiosa, acabei usando o desodorante Natura para amenizar a situação, mas fiquei quase 10 dias com ferimentos. Foi aí que me mudei de casa e larguei o produto lá, de tanto ódio no coração de não ter dado certo. 
Enfim, os anos se passaram e após ler vários relatos positivos sobre o uso do driclor, resolvi testá-lo novamente, e desta vez tentar da maneira correta. Eu acabei comprando o produto no mercado livre e na época, o preço estava nas alturas no Brasil, pois o produto estava em falta no mercado e acabei pagando em torno de 100 reais o frasco de 75 ml. Mas dessa vez, resolvi ler muito antes de usar e...ELE FUNCIONOU!!!

Vou contar como utilizo ele, primeiro lavo as axilas com sabonete da Dove (por ele ser mais hidratante), após sair do banho e secar bem, às vezes utilizo o secador ou fico com um pedaço de papel higiênico nas axilas em torno de 5 minutos, passo uma camada de driclor bem no centro das axilas e espero secar (às vezes utilizo o secador novamente) e vou me deitar. 

É muito importante, que você não tenha se depilado no dia da aplicação, porque caso contrário, você não irá aguentar de coceira. No início, eu deixava os braços levantados um pouco, já deitada na cama, para aliviar a coceira inicial. Porque não tem muito jeito, nas primeiras aplicações, vai coçar mesmo, no meu caso, foi bem pouco, mas coçou e incomodou para dormir. E no dia seguinte, você acorda e toma um banho (lembre-se de não tomar banho frio) e lave novamente as axilas com delicadeza. E pode usar seu desodorante normal, eu não recomendo o uso do aerossol, os mais indicados são as versões em creme, roll-on e bastão. Eu faço aplicação do driclor a cada dez dias, mas quanto a frequência é relativo para cada pessoa, só fazendo uso mesmo, para ver o quanto o seu corpo aguenta sem transpirar.

Galera, o Driclor só é vendido no Brasil através dos importadores!
Eu vou deixar o link aqui abaixo e no post do Driclor no blog.
COMPRE AQUI NO BRASIL!


Ahh, ele dura muitoooooooo, o meu já vai dar 2 anos daqui a pouco e nada de acabar. Então, eu realmente acho que super vale o investimento! \o/




E é isso pessoal, espero que eu tenho sido útil para vocês em relação aos meus produtos favoritos.

Boa semana à todos.

Obs: Fotos para ilustrar nosso momento dos sonhos (blusinha colada+cinza+axilas secas)






05 fevereiro 2015

Entrevista de emprego para HIPERIDRÓTICOS

Olá galera, tudo bem?

O assunto hoje é sobre como amenizar a hiperidrose para ir numa entrevista de emprego!

Porque fora o nervosismo que assola nossa mente, de como será a tal conversa para este futuro trabalho. Ainda temos o problema de suar em bicas de ansiedade, mas calma, tenho aqui, algumas dicas que irão te auxiliar com este problema.

Dica 1: Não saia de casa atrasada, em hipótese alguma, saia correndo de casa ou de qualquer lugar que estiver, pois isso fará com que seu corpo se aqueça pelo anseio de chegar no horário e você vai acabar transpirando o triplo. Tente combinar um horário com o seu entrevistador, em que você possa cumprir, sem ser na correria.

Dica 2: Use uma roupa apropriada e fresca para a ocasião, nada de ir de calça jeans, pois este tecido é muito quente, fora que pode deixar desleixado a sua aparência, por isso, faça uso de calças sociais mais amplas, como o modelo flare (aquele modelo conhecido nos anos 70, com a boca mais larga), e camisas de viscose, renda ou linho. E se estiver muito quente, vá de vestido com uma manga leve ou sem mangas, mas tome cuidado para não ser curto e acabar parecendo vulgar.

Dica 3: Para quem sofre de hiperidrose nos pés, prefira os calçados fechados, para não ter o risco de escorregar até o caminho da entrevista, como também faça uso das meias sociais da cor da pele ou de meias sapatilhas (no próximo post, irei falar as marcas das meias que utilizo), para serem usadas com o calçado do mesmo nome. E antes de colocar as meias, passe algum antitranspirante nos pés, para evitar um pouco que seja, o excesso de suor. E em hipótese alguma, faça uso de sapatos de plástico, pois eles deslizam no pé e podem causar grandes problemas.

Dica 4: Caso sua hiperidrose seja na cabeça, a dica é que prenda o cabelo e passe um pouco de shampoo a seco, que contém talco na fórmula e deixará seus cabelos mais secos, além de passará a impressão de mais seriedade, e por isso, vai manter a temperatura do seu corpo mais agradável, já que o pescoço será ventilado.

Dica 5: Ao chegar no local da entrevista, com antecedência, vá direto ao banheiro, para se enxugar, caso esteja com alguma parte do corpo molhada. E é muito importante, caso o dia esteja muito quente, levar uma bolsa média ou grande, com uma segunda opção de roupa, como uma blusinha mais fechada e outra calça, caso você venha transpirar na virilha também.

Dica 6: Se o seu problema por crânio facial, leve uns lencinhos para retirar o excesso de líquido e retoque com o pó compacto. Caso persista o suor no rosto (como já aconteceu comigo e eu uso óculos para "melhorar"), você simplesmente seja franca e fale, eu tenho um suor excessivo no rosto e relaxe, eles sempre vão entender.

Dica 7: A hiper palmar também é um dos casos mais sério a ser tratado, pois atrapalha muito mais no convívio social do que em outras regiões do corpo. Mas não tema, para tudo tem solução, então carregue com você um lenço ou uma toalhinha na bolsa.

Dica 8: Utilize algum antiperspirante apropriado para o seu caso. Eu faço uso do driclor nas axilas, mas ele pode ser utilizado no corpo inteiro. Mas por algumas partes serem mais sensíveis, como o rosto e cabelos, o odaban é o mais indicado. E por fim, o antihydral para a hiper nas mãos e pés.

Dica 9: Não tome banho frio ou gelado antes de sair de casa, para a entrevista, a não ser que seu chuveiro tenha queimado. Pois com o banho frio, nosso corpo precisa transpirar mais para voltar a temperatura ideal. O certo é tomar um banho morno ou até mesmo mais quente.

Dica 10: Este espaço é mais voltado para mulheres, pois irei utilizar das minhas experiências de vida, dando dicas para vocês também terem uma vida mais confortável. Mas quanto aos homens, além das dicas já citadas, é importante colocar uma camiseta fresca por baixo da camisa social, assim ela retém o suor, antes que apareça as famosas pizzas.

E fico hoje por aqui, espero que aproveitem e gostem das dicas, estou à disposição para qualquer esclarecimento.

Até mais Galera, 

Beijãoo!